Tag Arquivo para Horror

MÃE!

Mãe (Mother, 2017) conta a história de um casal, que mora em um lugar isolado e acaba tendo a vida atormentada por uma série de visitantes indesejados.

Acabei de ver o filme com o meu marido e eu tenho certeza que ele vai pensar duas vezes antes de aceitar ir ao cinema comigo novamente. Ele simplesmente odiou o longa e todos os anos perdidos em uma única sessão. Entretanto, eu diria que o longa fica em um limbo, porque é difícil de ser classificado. Ele parece um daqueles filmes que você acaba vendo em uma Mostra de Cinema. Eu senti falta de uma caneca de café e um debate com o diretor.

Esse filme lembra muito Melancolia(2011) do Lars von Trier, A Árvore da Vida (2011) do Terrence Malick e Fonte da Vida (2006) do próprio Darren Aronofsky. Todos eles são bem loucos e levam a questionamentos existenciais sobre o seu papel no sofá enquanto você poderia estar fazendo outra coisa mais produtiva. Eu não acho que são filmes ruins ou direcionados a um público seleto. Eu apenas acho que são longas diferentes daquilo que estamos acostumados a assistir e é essa diferença que traz certa graça e beleza.

Mãe é um daqueles longas que você vai procurar na internet para tentar achar a interpretação do que de fato o roteiro quis dizer, como Donnie Darko (2001) do Richard Kelly e O Iluminado (1980) do Stanley Kubrick. Ele é cheio de simbolismos e metáforas, mas eu não vou discutir aqui as teorias e interpretações, porque eu considero isso spoiler, no entanto, se você quiser saber mais pode acessar o site Omelete para ler sobre isso.

O filme conta com a presença de Jennifer Lawrence, Javier Bardem, Ed Harris, Michelle Pfeiffer e  Domhnall Gleeson. Eu diria que gostei bastante do trabalho de todos os atores e certos aspectos do filme me surpreenderam como o fato de ele não ter uma trilha sonora, o que deu ênfase a cada pequeno ruído produzido durante as cenas. Esse silêncio extremo da falta de música e o fato de todas as cenas serem feitas dentro da casa trouxe uma sensação de inquietação e claustrofobia.

O diretor e roteirista do longa é Darren Aronofsky. Ele também foi o diretor de Fonte da Vida (2006)Cisne Negro (2010) e Noé (2014).

Resumindo, não vá ao cinema ver esse filme se você quiser ir para se distrair! No entanto, eu o indicaria do ponto de vista cinematográfico, pois a forma como ele foi feito e a interpretação dada ao roteiro são bem interessantes.

Nota:

Desejo a todos um bom filme e muita pipoca!!!!

IT: A Coisa!!!!

IT: A Coisa (IT, 2017) conta a história de um grupo de jovens que resolvem se juntar para buscar o causador de todas as mortes que estão ocorrendo na cidade de Derry.

Eu não vi o primeiro filme de 1990 e nem li o livro. Quando eu soube que iria sair esse remake, eu decidi que iria ler o livro, então eu comprei o e-book, coloquei no meu velho kindle e pensei “agora vai”, só que não foi. Eu adoro os filmes que são inspirados nas obras do Stephen King, mas tenho um certo bloqueio na hora de ler seus livros. Conheço pessoas que são super fãs dos livros do King, mas o único que eu consegui ler foi o chamado Sobre a Escrita, em que ele conta sobre sua vida, como ele se inspirou para escrever e dando conselho para novos escritores. Vale muito a pena ler se você pensa em ser escritor.

Já explanei demais sobre nada, então deixa eu falar sobre o longa. Então, o único jeito de sentir medo desse filme é se você tiver Coulrofobia, ou seja, fobia de palhaços. Se você não tem esse medo no seu coração, então o filme passará longe de ser assustador. Eu achei o longa bom, nostálgico, divertido e tão leve que não vi as mais de duas horas passarem. Ele lembra aquele filme de sessão da tarde Conta Comigo (1986) baseado em um conto chamado The Body do Stephen King. E lembra bastante a série Stranger Things (2016-), que com certeza deve ter sido baseado nas obras do escritor em questão. Aliás, estreiou a série O Nevoeiro no netflix, eu achei o primeiro episódio chato, mas achei o filme legalzinho.

O longa conta com a presença de Jaeden Lieberher, Jeremy Ray Taylor, Sophia Lillis, Finn Wolfhard (da Série Stranger Things), Chosen Jacobs, Jack Dylan Oleff e Bill Skarsgård (da série Hemlock Grove). Todos os atores fizeram um trabalho incrível, principalmente Skarsgård, que está irreconhecível como o palhaço Pennywise. Aliás, como curiosidade, como mostra a foto abaixo, o olho direito do ator está olhando para a criança e o esquerdo para o telespectador. Então, esse olhar seria feito com o auxílio da computação gráfica, mas o ator provou no set que sabia fazer isso sozinho, assim como o grande e torto sorriso. Outra curiosidade é que ele é filho de Stellan Skarsgård, que já fez trocentos filmes e hoje em dia está na série River (2015-).

O diretor do longa é Andy Muschietti, que já dirigiu o filme Mama (2013). Como roteiristas temos Chase Palmer, Cary Fukunaga, Gary Dauberman e o próprio Stephen King. Com certeza teremos o IT: Chapter Two, mas ainda não existe previsão para sair.

Resumindo, vale a pena ir ao cinema para assistir esse filme. Como eu já disse, ele é bom e eu diria que é o tipo de filme que traz uma positividade e uma força que você não encontra mais nos longas. Ele relembra aqueles filmes nostálgicos da nossa juventude, que possuem uma lição de moral e que com certeza fazem falta para os jovens de hoje. Então, não tenha medo, o filme é bom!

Nota:

Desejo a todos um bom filme e muita pipoca!!!!

 

Santa Clarita Diet!

Santa Clarita Diet (2017- ) conta a história de Sheila Hammond (Drew Berrymore), que inexplicavelmente acaba se transformando em uma morta-viva. Sendo assim, seu marido Joel (Timothy Olyphant) e sua filha Abby (Liv Hewson) tentam ajudá-la a enfrentar essa situação.

A verdade é que a série é bem fraca e apenas serve como distração. Você pode assistir se não estiver passando outra coisa melhor na televisão. A trama é diferente do que encontramos em uma série de zumbis, mas nem isso e nem os bons atores conseguem dar um sopro de vida a essa história chata. Até o final da temporada você não vai descobrir porque a protagonista se tornou uma morta-viva e não existe tempo ocioso suficiente que me faça ver outra temporada para descobrir.

A série possui bastante sangue e pedaços de corpos, no entanto, não chega a ser um Quentin Tarantino ( Que seria um produtor bem melhor!). De qualquer forma, a série pode causar certo desconforto, pois ver uma pessoa mastigando pedaços de outra pode gerar uma pequena aflição e nada mais.

Contamos com a presença de Drew Berrymore, Timothy Olyphant, Liv Hewson e Richard T. Jones. No entanto, apenas Liv Hewson me surpreendeu positivamente, pois ela parece uma mistura de Emma Stone e Jane Levy, tanto pela beleza como pela interpretação. Espero ver outros trabalhos de Hewson.

O criador é Victor Fresco, que já produziu séries como My Name is Earl (2005-2009) e Man Up (2011-2012).

Resumindo, a série é bem fraca, mas vale a pena como distração.

Nota:

Desejo a todos um outra série e muita pipoca!

 

Stranger Things (2ª Parte)!!!!

A minha primeira postagem sobre Stranger Things foi baseada no primeiro episódio da série e este post em questão vai falar sobre a minha impressão depois de ter assistido absolutamente todos os episódios.

Vale a pena assistir, pois o thriller é mais complexo do que parece e o roteiro me surpreendeu bastante pois é difícil deduzir o que vai acontecer na cena seguinte. Resumindo, ele consegue fugir do lugar comum das séries da atualidade.

Embora aos Irmãos Duffer tenham feito uma miscelânea de estilos de diretores conhecidos, como eu disse no primeiro post, mesmo assim eles conseguiram conduzir bem a história trazendo originalidade ao roteiro.

Fiquei surpresa como os papéis da Winona Ryder e David Harbour, porque a atuação dos dois foi incrível e eles conseguiram desenvolver muito bem os personagens. Winona é uma atriz antiga e há muito tempo eu não a via fazer um papel complexo assim, fiquei muito feliz em vê-la  se reerguer depois desse hiato cinematográfico. No entanto, David Harbour é um ator com uma carreira mais nova, ele possui aquele rosto de coadjuvante, ou seja, você conhecia ele de algum filme ou série, mas ele nunca foi o principal. Nessa série em questão Harbour conseguiu se destacar primorosamente e com certeza eu vou ficar de olho nos próximos trabalhos dele, como o personagem Dexter Tolliver, que ele vai interpretar em Esquadrão Suicida.

A série só possui 8 episódios e isso é um ponto positivo para mim, pois eu adoro séries curtas e cativantes. Ela se desenvolveu muito bem nesses poucos episódios, o que eu achei suficiente. Existe material pra uma continuação? Claro que sim, (aliás segundo o site Jovem Nerd, a série já foi renovada), mas eu acho que uma segunda temporada sobre a mesma história seria demais e cansativa. Sendo assim, eu acho que cada temporada poderia vir com um roteiro novo, uma história nova em outra cidade, com outros elementos e personagens, como ocorre em American Horror Story. No entanto, como meu marido disse, se for outra história seria bem legal trazer personagens da primeira temporada como o Delegado Jim Hopper (David Harbour).

Resumindo, a série é muito boa, vale muito a pena assistir. Ela ganha mais uma estrela e meia, pois conseguiu me surpreender positivamente.

Nota: star_rating_fullstar_rating_fullstar_rating_fullstar_rating_fullstar_rating_empty

Desejo a todos um boa série e muita pipoca!!!!!

« Postagens Antigas