Arquivo para Guerra

Sniper Americano!

 

Sniper Americano (American Sniper) é um filme baseado em fatos reais e conta a história de Chris Kyle (Bradley Cooper), que ingressou nas Forças Especiais da Marinha Americana, se tornando o maior atirador de elite da história. Ele chegou a matar em torno de 150 pessoas durante a guerra do Iraque e com esse ato conseguiu salvar milhares de americanos.

Sinceramente, eu fiquei muito surpresa com o filme e diria sem sombra de dúvidas que ele é sensacional. Os filmes de guerra não são os meus preferidos, mas esse em especial me conquistou. Ele mostra com clareza a transformação de um homem simples do Texas em um militar que faria qualquer sacrifício pelo seu país. Sim, o patriotismo dos filmes militares é bem forte, mas eu acredito que essa é uma característica dos americanos. É visível que esse filme não busca apenas apresentar uma história ao público, mas também almeja despertar esse conceito patriótico nos americanos que assistem o longa, os recrutando indiretamente para as forças armadas. Acho que não poderíamos esperar mais do que isso de um filme americano sobre guerra.

Bradley Cooper fez uma atuação exemplar e a sua indicação ao Oscar foi mais do que merecida, embora não tenha sido ainda a hora de ganhar o tão esperado prêmio. (Acredito que se a Teoria de Tudo não tivesse concorrido, talvez Bradley sairia com o Oscar em mãos). Nesse filme ele conseguiu passar ao espectador toda a dor e o sofrimento que o verdadeiro Chris Kyle deve ter sentido, bem como todos os conflitos psicológicos e angústias que um militar pode enfrentar. Você esquecia que ele era apenas um ator de tão realista que foi a sua incorporação na vida militar.

As cenas do filme, no geral, foram ótimas, fortes, angustiantes e Bradley conseguiu expressar de forma bem singular o mal que ocorre com a maioria dos militares que  passam longos períodos em combate. A guerra para eles se transforma em casa, os amigos de luta viram parte de uma grande família, então esse lugar se torna comum e fica bem difícil voltar para o próprio lar, para a rotina anterior. As lembranças da guerra podem ser tão fortes quanto a dor e as marcas que permanecem em seus corpos. O desequilíbrio familiar pode ser frequente e apenas com ajuda especializada é que muitos conseguem desprogramar o cérebro a ponto de voltar as rotinas diárias. Bradley demonstrou todos esses pequenos detalhes e provou que ainda não vimos todo o seu poder de atuação. O que virá pela frente? Espero que outras indicações.

O grande diretor Clint Eastwood ainda não me decepcionou, ele conduziu esse filme de forma magnífica e conseguiu me deixar inquieta na poltrona de tão emocionante que foram as cenas. Agora que eu vi o filme eu posso dizer com toda a propriedade que foi lamentável ele apenas ter ganhado o Oscar pela Edição de Som, mas a concorrência esse ano foi acirrada.

É claro que o filme apresentou uma ou outra cena que poderia ter sido conduzida de uma forma melhor, mas isso não alterou a magnitude do longa, que eu afirmo com todas as palavras que foi majestoso e simplesmente sensacional.

Desejo a todos um bom filme e muita pipoca!

Nota:star_rating_fullstar_rating_fullstar_rating_fullstar_rating_fullstar_rating_half

Desvendando o Enigma!!!!

Jogo da Imitação (The Imitation Game) é um filme baseado no livro Alan Turing : The Enigma, que foi escrito por Andrew Hodges. O filme é uma biografia da vida de Turing, mais especificamente durante a Segunda Grande Guerra. A trama principal gira em torna da máquina alemã chamada Enigma, com ela os alemães conseguiam mandar mensagens criptografadas. O problema é que as mensagens eram extremamente difíceis de serem quebradas, pois era necessário uma codificação chave, que servia para ler o texto, só que essa chave era mudada diariamente.

Turing, que era um matemático absurdamente inteligente, conseguiu entrar na equipe que fazia parte dos cientistas que estavam tentando decodificar o Enigma. A sua personalidade peculiar irritava a todos, já que ele tinha uma jeito “Sheldon” de ser, meio autista e extremamente literal. No entanto, ele percebe que precisa da ajuda de todos para que as coisas realmente avancem.

Um detalhe que tem relevância no filme é o fato de Turing ser Homossexual. Estamos falando de um homem que tinha uma orientação sexual diferente nos anos 40, ou seja, ele era visto como um criminoso e como um pária dentro da sociedade. Nesse ponto eu não consegui sentir a dor e a angústia que Turing, o homem de verdade que existiu, deveria ter sentido em sua época. O foco principal do filme era o Enigma, é claro, mas eu esperava mais de Cumberbatch ao interpretar a intimidade do protagonista, suas dúvidas e conflitos internos.

Bem, o filme é bom, se não ele não seria indicado ao Oscar. Acho que o papel de Turing foi bem desempenhado pelo Benedict Cumberbatch, um dos atores que vem se destacando nos últimos anos. A atuação de Keira Knightley foi fraca, sem emoção, e acredito que, definitivamente, esse não seria o momento dela ganhar um Oscar, já que está concorrendo como melhor atriz coadjuvante pela sua atuação nesse filme.

Desejo a todos um bom filme e muita pipoca!

Nota: star_rating_fullstar_rating_fullstar_rating_halfstar_rating_emptystar_rating_empty