Aquarius!

Aquarius (2016) conta a história de Clara (Sônia Braga), uma senhora de 65 anos, que não quer vender seu apartamento a uma construtora.

Eu já tinha visto esse filme há algum tempo e estava com muita vontade de escrever sobre ele. Eu confesso que não vejo muitos filmes brasileiros, porque normalmente o tema não me atrai, só que esse despertou meu interesse. O longa possui uma trilha sonora muito boa, as cenas passam uma serenidade e uma leveza muito grande. A maioria das películas brasileiras ficam concentradas em cidades como Rio de Janeiro e São Paulo, mas aqui a história se passa em Recife, o que eu achei um diferencial bem bacana.

Clara é uma mulher que já passou por muita coisa na vida, ela é uma jornalista aposentada, viúva, que sobreviveu a um câncer e ainda possui três filhos. Ela chegou em uma fase que todos nós gostaríamos de chegar, pois dinheiro não é um problema e todos os filhos já estão criados, o que mais ela pode querer da vida? Ela quer permanecer  naquele apartamento durante sua velhice, porque nenhum outro local possui a história e o sentimento que aquele lugar trouxe e ainda traz a ela. Até o ar flui agradavelmente pelo ambiente, trazendo um frescor inimaginável e cada objeto possui sua própria nostalgia impressa. Ela não precisa morar ali, mas é ali que ela quer viver!

Sabe o que é engraçado? Esse filme recebeu muitas críticas, mas não pela arte em si e sim pela filiação partidária de quem produziu. Eu acredito que independente da pessoa por traz das câmeras é inegável que essa é uma bela obra.

Contamos com a presença de Sônia Braga, Irandhir Santos, Maeve Jinkings, Humberto Carrão, Carla Ribas, Buda Lira e Fernando Teixeira. Embora todos tenham feito um excelente trabalho, Sônia Braga é a grande musa do longa, tendo toda a atenção em torno da atuação dela, que é simplesmente incrível. Ela mostra que a sensualidade e a sexualidade independem da idade.

O diretor e roteirista do longa é Kleber Mendonça Filho.

Resumindo, esse filme é uma bela obra, que traz um frescor muito grande, como se também fizéssemos parte daquele apartamento. Vale a pena assistir.

Nota:

Desejo a todos um bom filme e muita pipoca!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *