Estômago!

Estômago (2007) conta a história de Raimundo Nonato (João Miguel), um homem simples que vai para a cidade grande em busca de algo mais na vida. Ao chegar ele descobre duas coisas, o seu dom natural para cozinha e o amor nos braços da prostituta Iria (Fabiula Nascimento).

Pessoal, eu tenho que desabafar, eu acordei cedo para fazer essa publicação, escrevi tudo direitinho e na hora de publicar deu um problema enorme no computador e eu perdi tudo que eu tinha escrito. Soquei a mesa, xinguei o mundo, gritei e quase joguei o notebook pela janela. O que eu podia fazer? Peguei um livro pra distrair e fui para o trabalho. Então meu povo, vou tentar escrever tudo de novo, deixa eu lembra:

Comer, escrever e assistir filmes são três coisas que eu amo demais. Nessas últimas semanas eu resolvi me dedicar inteiramente a cozinha, adquiri vários livros de culinárias e comprei vários ingredientes depois do trabalho. E é claro, meu marido ganhou a árdua tarefa de ser minha cobaia, o que ele desempenhou com muita felicidade. Por causa disso, eu resolvi fazer uma lista dos 10 Filmes sobre Amor e Muita Comida, isto é, os dez filmes que podem inspirar essa vontade louca de fazer os pratos mais inusitados. Só que nada é fácil como vocês podem imaginar, eu não posso fazer uma lista simples, assim de cabeça. Existiam alguns filmes gastronômicos que eu ainda não tinha assistido e estou me dedicando com afinco para conseguir fazer a lista com muito carinho para vocês. O filme Estômago era um possível concorrente para entrar na lista, no entanto, o filme não era inspirador como eu imaginava, tinham cenas de dar água na boca, mas ele se focava demais no drama e não possuía a leveza que eu buscava.

O filme conta com a presença de João Miguel e Fabiula Nascimento. Eu só tinha visto a atuação de João no longa À Beira do Caminho, um drama regado pelas músicas de Roberto Carlos. No entanto, sinceramente, apenas no Estômago eu pude ver todo o talento que esse ator possui. Segundo o site Adoro Cinema, o ator vai atuar na primeira série brasileira produzida pela Netflix, que se chamará 3% e deve estrear em 2016.

Quanto a Fabiula, eu também fiquei bem surpresa com sua interpretação. Ela passou despercebida por Bruna Surfistinha, e teve uma atuação fraca na sequência de filmes do SOS Mulheres ao Mar, no entanto ela me conquistou em Estômago, mostrando todo o talento que essa atriz em ascensão possui. Além do que, eu acho ela linda, uma mulher incrivelmente curvilínea e sem medo de mostrar toda a sua exuberância, em comparação com essas atrizes raquíticas e sem sal que adoram desfilar nas telonas.

O diretor do longa é Marcos Jorge, que ainda não possui um currículo cinematográfico muito extenso, mas ele conseguiu me empolgar bastante para assistir outros filmes de seu pequeno repertório, como O Duelo (2012) com Patricia Pilar, Cláudia Raia, Taína Muller, José Wilker, Joaquim de Almeida e tantos outros. Será que é bom? Vamos ver.

Resumindo, o filme é bom, mas não se esqueça de tirar os filhos da sala antes de assistir, pois ele possui insinuação sexual, violência e muitos palavrões. Ele ainda possui algumas cenas cômicas, o que deu certa leveza e fluidez em algumas partes do longa.

Nota:star_rating_fullstar_rating_fullstar_rating_fullstar_rating_emptystar_rating_empty

Desejo a todos um bom filme e muita pipoca.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *